Facebook identificará anúncios ligados às eleições como “propaganda eleitoral”

Home / All  / News  / Facebook identificará anúncios ligados às eleições como “propaganda eleitoral”

Por Raphaela Gaspar
27/07/2018

Nesta terça-feira (24), o Facebook informou que irá adotar no Brasil algumas ferramentas de transparência para o uso da plataforma durante o período das eleições, principalmente os partidos e candidatos e também no impulsionamento de conteúdos.

A ferramenta de transparência irá mostrar o CPF do político em questão com uma legenda informando a qual partido ele é filiado. Já os anúncios, irão conter o CNPJ da instituição. O país será o segundo do mundo onde esses recursos estarão disponíveis, ficando atrás somente dos Estados Unidos.

E para utilizar a identificação, é preciso realizar um cadastro no Facebook. Então, a plataforma verificará a identidade do responsável e sua residência, evitando que pessoas que não moram no Brasil possam impulsionar os conteúdos.

O procedimento será disponibilizado a partir do dia 31 de julho e será exibido a partir de 16 de agosto. Caso aconteça de um candidato ou partido não se cadastrar e divulgar conteúdo pago sem o selo, estará sujeito à fiscalização do Tribunal Superior Eleitoral.

Outra ferramenta disponibilizada com foco nas eleições, é o que o Facebook chama de “Biblioteca de Anúncios”, onde os usuários podem ver posts pagos relacionados à política, incluindo até mesmo propagandas eleitorais.  Essa biblioteca reunirá publicações impulsionadas ativas e inativas, permitindo que o eleitor verifique quais são as mensagens transmitidas por seu candidato ou concorrentes.

Este recurso procura dialogar com preocupações de diversos agentes da sociedade civil em eventos sobre internet e eleições acerca dos riscos da publicidade paga no Facebook.
A diretora global de engajamento com políticos e governos do Facebook, Katie Harbath, esteve de passagem por aqui e disse que o assunto “Eleições no Brasil” é uma prioridade para a rede, razão pela qual eles estão trabalhando para evitar que pessoas mal-intencionadas tenham qualquer influência sobre os dados e até mesmo o processo democrático.

Katie também comenta sobre outras ferramentas que, inclusive, já são adotada em processos eleitorais em outros países. Por exemplo, a aba “temas”, na qual serão publicados conteúdos dos candidatos sobre diversos assuntos, como segurança, saúde e educação.  Também é possível acrescentar um lembrete para os eleitores no feed de notícias ou ainda utilizar o Megafone, que vincula além do lembrete sobre a votação, informações sobre os locais de votação.

Além de todas as informações desta semana, o Facebook também anunciou que removerá algumas opções de segmentação  e não permitirá mais que os anunciantes façam suas segmentações com base em raça, origem nacional, status de deficiência e algumas outras características protegidas pelas leis americanas de direitos civis. A ideia é evitar qualquer tipo de discriminação.